domingo, 9 de outubro de 2016

PSICOGRAFIAS DOS MÉDIUNS ROGÉRIO H. LEITE E MARLI MANSINI





PSICOGRAFIAS DOS MÉDIUNS ROGÉRIO H. LEITE E MARLI MANSINI








ESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS REALIDADES E LIÇÕES ESPIRITUAIS E MORAIS EXTRAÍDAS DAS CÓPIAS DAS MENSAGENS PSICOGRAFADAS PELOS MÉDIUNS ROGÉRIO HENRIQUE LEITE E MARLI MANSINI, NA ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA JESUS E CARIDADE, EM MOGI MIRIM-SP, NA TARDE DO DIA 06 DE AGOSTO DE 2016.


Compilação feita por Geziel Andrade.


A convite da Associação Espírita Jesus e Caridade, de Mogi Mirim-SP, os médiuns Rogério Henrique Leite e Marli Mansini, de Lorena-SP, (Blog oficial = www.cartaconsoladora.blogspot.com) visitaram a cidade.  Na noite do dia 05 de agosto de 2016 (sexta-feira) Rogério proferiu interessante palestra sobre as suas experiências mediúnicas.


No dia seguinte (sábado), no período da manhã, Rogério e Marli atenderam as pessoas que desejavam obter, com a permissão de Deus, pois nada acontece sem o Seu consentimento, conforme nos ensinou Jesus, as cartas consoladoras dos Espíritos a seus familiares queridos.


No sábado, no período da tarde, na presença de cerca de 400 pessoas, com as portas e janelas da instituição abertas para a iluminação do ambiente pela forte luz do sol, e ao som de palestras e músicas cristãs e espíritas para entreter as pessoas presentes, foram psicografadas, em sessão espírita pública de psicografias, 16 cartas dos Espíritos a seus entes queridos. (Fotos desses eventos estão em www.facebook.com/aejesusecaridade).      


 Dessas 16 cartas psicografadas, 4 foram de filhos para as suas mães; 3 foram de pais para filhas;  1 foi de mãe para filha; 1 de esposa para o marido; 1 do marido para a esposa e filhas; 1 de filho para mãe e tia; 1 de irmão para irmã; 1 de filho para mãe, pai e avó; 1 de filha para mãe; 1 de filha para mãe e madrinha; e 1 de filho para os pais, irmão e esposa.


Três espíritos não mencionaram nas cartas o motivo da morte do corpo material. Mas entre os demais, um deles faleceu após passar por uma cirurgia. Outro faleceu em decorrência de  agravamento do estado de saúde. Três deles cometeram suicídio. Outro faleceu por leucemia. Dois deles faleceram por agressão com arma de fogo. Outro faleceu por morte súbita. Dois deles faleceram por enfarto e parada cardíaca. Outro faleceu por acidente entre bicicleta e carro. Outro faleceu por ato de imprudência.           


Estudando meticulosamente o conteúdo dessas 16 cartas psicografadas pelos dois médiuns, constatamos as realidades e lições espirituais e morais a seguir apresentadas. Elas nos levam a profundas reflexões sobre a grandiosa dimensão da Obra de Deus, bem como de Sua sabedoria, bondade, justiça e misericórdia. Com isso, revemos muitos de nossos condicionamentos materialistas à vida temporária na crosta da Terra.


As mensagens dos Espíritos dirigidas aos seus familiares falam por si com clareza absoluta, dispensando nesta compilação quaisquer comentários, esclarecimentos ou palavras complementares:


1 - SONO DECORRENTE DA MORTE DO CORPO MATERIAL


“Quando silenciei a minha voz por ai e fechei os meus olhos dormi por um longo período. Tratamento de sonoterapia é como eles chamam esse período aqui.”


“De repente uma dor aguda e muito forte no peito me fez perder o ar, o chão, me fazendo mergulhar na escuridão trazida pelo sono profundo. E mais nada eu vi.”


“Senti uma dor forte no meu coração. Uma espécie de uma agulhada. E muito pouco me recordo.”


“Não quero que a senhora e meu pai imaginem que eu tenha sofrido além da conta. Fora o susto, numa espécie de estrondo, senti apenas um tombo e não me lembro de mais nada, além de uma sensação de explosão na cabeça. Apaguei geral.”


“Não foi fácil. Mas, graças a Deus, eu fui poupado do desespero dos que amo, já que após ter deixado o corpo físico eu fui induzido a um sono que nas minhas contas durara cerca de três meses, poupando-me de maiores perturbações. Depois a luta para encarar a nova vida e a saudade de todos vocês.”


2 - REENCONTRO NA VIDA ESPIRITUAL COM OS FAMILIARES ANTERIORMENTE FALECIDOS


“Quando meu coração parou de bater ai e eu fechei os olhos foi o meu avô Francisco que prestou os primeiros cuidados.”


“Agradeço por ter insistido em busca de notícias deste irmão que tudo lhe deve. Aqui estou ao lado de nossa mãe Maria Aparecida para te abraçar nestas linhas. O tempo parece passar, mas não leva com ele nossas recordações mais gratas.”


“Já estive com meu pai Arthur, meu pai Eduardo Arthur. Notei algo diferente nele. Percebi que ele, assim como eu, revê aqui seus conceitos de vida. Isto é importante para todos nós.”


“Quando acordei, advinha quem estava ao meu lado? A vovó Maria. Se eu não tiver caduco, eu tinha visto a vó até os vinte e três anos de idade. Foi com essa idade que me lembrei da vovó. Ela sorriu e falou: Fabinho, você não está caduco meu neto. Está como eu mortinho da silva. O senso de humor dela foi primordial para mim naquele momento, pois olhei e comecei a rir junto com ela, chorando mais tarde ao me dar conta do que talvez vocês tivessem passando por conta da minha ausência em casa e nossa rotina diária em meio às lutas. Pedi forças, porque teríamos que recomeçar de novo e que por mais doído que fosse, para nós não havia outro remédio.”


“De nada me lembro mãe, a não ser de ter despertado deste outro lado da vida na cama de uma enfermaria, sob cuidados e atenções médicas e sob o olhar atencioso do meu avô. Estava sem compreender. No começo pensei que estava ai mesmo num dos hospitais da Terra, mas a presença do meu avô me dando boas vindas me intrigava, embora eu sentisse uma sensação de bem-estar inenarrável. Aos poucos fui esclarecido e fui transferido. Chorei feito criança nos braços do meu avô ao me lembrar da senhora e do meu pai e de todos os nossos. Me conformei aos poucos, afinal naquele hospital eu não ficaria internado. Procurei ser forte.”


3 - APOIO RECEBIDO DOS BENFEITORES ESPIRITUAIS E DE ESPÍRITOS DE FAMILIARES


“A benfeitora Elisabete me falou que sua necessidade maior (de notícias) chama por isso.”


“O vovô Israel, que tem sido o papai para mim no lado de cá, falou que eu deveria me esforçar. Está ao meu lado, me ampara as forças emocionais que preciso e segura forte a minha mão.”


 “Os Benfeitores amigos, entre eles o meu avô Orsi, têm me ajudado no que preciso.”


“Jesus abençoe este nosso encontro pelas letras. É o G... de vocês tomando as mãos do amigo para lhes deixar o meu recado. Sinto que apesar da saudade que prossegue junto aos nossos passos, vamos superando os tempos mais difíceis. Eu posso contar aqui com bondosos amigos da vida maior e sei que aí com grupo bondoso de pessoas que compreendem a dor que nos pertence, mas que vamos administrando aos poucos, de acordo com o esforço de cada um de nós. O Padre Justiniano ao meu lado pede que lhes diga que cada pessoa vem à Terra para vencer a si próprio, entretanto nem sempre esta tão esperada vitória ocorre numa etapa. Estou bem dentro do possível. Digo assim porque quanto mais o meu ser perceber deste outro lado da vida o entendimento de cada um de vocês e a dor do início for substituída por uma saudade saudável, eu me sentirei melhor. Pai, peço perdão ao senhor e a todos os que eu envolvi na teia da dor e da desolação dos primeiros momentos diante de meu ato impensado e imprudente. O importante é que o senhor e todos me sintam cada vez mais inteiro das idéias. Eu não desapareci. Agradeço pelas preces de todos. À senhora mãe a certeza do meu amor. Ao senhor pai o meu abraço mais apertado e o meu sincero pedido por perdão. Sigam em frente. Sigamos em frente. O Padre pede que também diga que a perda aparente de um ente querido não deve servir de justificativa para deter a marcha. Afinal Deus caminha ao lado de todos nós. O vô Alcides envia suas vibrações de paz a todos.”    


4 – CONSTATAÇÃO DA IMORTALIDADE DA ALMA E DA CONTINUIDADE DA VIDA NO MUNDO DOS ESPÍRITOS


“Posso te afirmar, não deixei de existir mãe. A continuidade da vida fala de Deus!”


“Ninguém morre pai. A alma é apenas uma residente temporária, numa veste de carne, ossos e massa cinzenta. Somos mais do que isso.”


“Deixo no seu coração a certeza da minha continuidade, porque o amor estreita nossos laços, nos fortalece e nos ajuda a prosseguir. Não podemos rejeitar o amor e o chamado de Deus, quando Ele sabe que se ficarmos o sofrimento será ainda maior.”


“Desejo que nos saiba vivos. Eu, nossa mãe, a Lídia, o Lázaro, todos reconhecidos a você. Saiba que estamos em paz e sempre estaremos em preces por você. A vida é muito mais do que aparenta ser. Este mundo é quase ilusório em comparação com aqui. Continue no caminho do bem. Fique com o nosso carinho, com o nosso amor e gratidão.”


“A vida não cessa. A morte física é um ingresso a nossa vida original. O aprendizado perpetua e se a saudade de quando em quando faz com que lágrimas escorram pela nossa face como se fossem pérolas de afeto e ternura, é porque de alguma forma soubemos aproveitar o tesouro do tempo, enquanto ai estivemos juntas. Isso é o que importa. Quanto ao meu regresso para cá, segundo os benfeitores amigos, aquele fora o tempo que fora programado para mim. A vida não deve ser dimensionada pela longevidade dos anos e sim pela intensidade e aproveitamento que se pode extrair dela.”


5 - GRATIDÃO E AMOR PELOS PAIS:


“Mãe,  retorno pelas letras e compareço para depositar na sua face sofrida o meu beijo, reconhecido por  todo bem que me faz. Deixo meus beijos de reconhecimento e gratidão.”


“E hoje aqui estou mãe para falar do meu amor e gratidão a senhora e ao meu pai, por tudo. Dizer que vocês fiquem bem e que segundo o Padre Justiniano nada ocorre por acaso, sem que haja uma finalidade útil e uma programação superior.”


“Não chora não mãe. Continuo sendo seu filho. Abrace meu pai por mim. Amo vocês. Obrigado por tudo. Sempre serei o filho que não te esquece.”


“Mãe, beijo o seu rosto sentido e tão amado, agradecendo o seu ventre, a sua presença em minha vida, seus ensinamentos e reafirmar o meu amor e gratidão à senhora por tudo.”


“Mãe, fica com o meu amor e muitos beijos depositados na sua face santa.” 


6 - CONTINUIDADE DAS AFEIÇÕES E DOS AFETOS NO CORAÇÃO


“A vida nos separou, mas não rompeu os laços fortes de afeto que cultivamos ao longo dos anos.  Tantos anos de convivência estreita nos tornou dependentes, fazendo essa separação ser ainda mais sofrida. Não queria ter voltado para o lado diferente da vida, mas não tive escolha. Deus me chamou e eu precisei ser obediente. O que para vocês representa a morte, para mim é o renascimento.”


“Quem se ama não se esquece e eu jamais os esquecerei.”


“Deus te abençoe por ter estado ao meu lado sempre; ter se preocupado comigo e ter rezado para que eu ficasse bem. Tudo o que eu devo à senhora e ao pai, devendo ao M... minha amizade.”


“Você sempre foi forte. Vamos vencer juntos como tantas coisas foram vencidas por nós. Receba agora os beijos da esposa e companheira que não te esquece.”


7 – O ESPÍRITO CONTINUA ACOMPANHANDO A VIDA DE SEUS FAMILIARES


“Mãe, você tem suas dores, seus momentos difíceis de provas, de angústia, lutando com meu pai, com meu irmão e se esforçando para ser forte.”


 “Espiritualmente estou ao lado de vocês.”


“No lado de cá da margem, eu estarei recebendo suas vibrações de alegria e de amor.”


“Percebo os seus olhos opacos, apagados, faltando o brilho de antes. Tenho a certeza que o motivo dessa tristeza toda é por causa da nossa separação física. Mas mesmo que a saudade faça doer seu coração e apertar o seu peito, busque no meu sorriso o motivo para sorrir também, mesmo diante de tanta dor e sofrimento.”


8 - COMPLEXIDADE NO INTERCÂMBIO MEDIÚNICO ENTRE OS DOIS LADOS DA VIDA


“Agradeço por ter vindo até esta casa de preces em busca do pouco que hoje posso te oferecer. Eu nunca me imaginei redigir algo pelas mãos e os meios os quais me são apresentados para que hoje possa oferecer algo de mim para você e nosso filho. São complexos, porém é tudo o que temos.”


“Eu sei que os meios que dispomos hoje são diferentes. Eu disponho do esforço de um amigo com a caneta nas mãos para transformar em texto meus pensamentos e emoções neste momento.”


“Confesso a você que se não fosse o auxílio que estou recebendo do Padre Justiniano, eu não conseguiria sequer mover a caneta. Quero que compreenda que escrevo sob forte emoção, de uma maneira diferente, embora saiba que o Padre, segundo ele mesmo, irá me auxiliar na habilitação deste intercâmbio.”


9 - RECADOS E NOTÍCIAS ENVIADOS A OUTRAS PESSOAS OU FAMILIARES


“Diga ao amigo E... que nossa amiga, sua mãe, está muito feliz com os progressos que ele tem feito na música. Que sinta sua mãe bem próxima do seu coração.”


“Diga ao pai e ao M... que os amo e com todos estou em pensamento.”


“Madrinha, o Padre Justiniano pede que lhe diga que brevemente o Celso Brandão enviará as notícias que o seu coração solicita. Muito obrigada por você ter incentivado a minha mãe a comparecer a esta reunião. Necessidade de filha, necessidade de mãe.”


10 - SAUDADES DA VIDA TERRENA


“Aqui vamos seguindo da forma como tem que ser, sem revolta, sem angústia. Somente saudade da rotina gostosa que nem sempre damos valor quando estamos por aí. É da nossa convivência que o pai tem saudade minhas filhas.”


“A senhora, o meu pai, o M... me fazem muita falta. Os amigos, os colegas de infância, de adolescência e de juventude me trazem recordações felizes e sou grato a tudo isso.”


“Preciso sentir mais segurança em seu coração para que o meu processo de ambientação aqui ocorra de maneira satisfatória. Sinto saudades, mas não podemos permitir que ela nos maltrate tanto.”


“O difícil para quem retorna mais cedo e para quem fica, parece ser mesmo a dor da saudade. Saudade física mãe. Ver, tocar, abraçar, conversar, sair junto, sorrir junto. Ah! Isso faz muita falta. Mas meu avô diz que a senhora e meu pai têm encontrado pessoas boas, que não têm lhes faltado com a atenção.”


“Agora é completar o tratamento por aqui, com a saudade doendo no peito. Aos poucos sei que vou me recuperar.”


11 - PROVAS ESCOLHIDAS ANTES DO NASCIMENTO


“Todo esse processo minha mãe amada é natural. Faz parte das provas assumidas e aceitas, quando no lado de cá resolvestes retornar ao berço terreno para expiar faltas do passado.  A senhora está sendo bem assistida nesse processo cancerígeno que a todos assusta, e que te incomoda. Reage e tenta ficar bem com os tratamentos que tem feito, ta bom?”


“Infelizmente não deu na vida, porque esses sonhos e planos não foram feitos para essa existência.”


12 - PREPARO PARA AS PROVAS DA VIDA MATERIAL


“Desejo que estejam preparadas para as provas da vida que não se finda.”


13 - REPERCUSSÕES DA REVOLTA PELA MORTE DE UM FAMILIAR


“Devemos ser fortes, por mais que o coração doa. A morte do corpo não dói; o que nos machuca é o rastro de sofrimento que deixamos junto dos familiares. O entendimento ajuda.”


14 - REPERCUSSÕES DO SUICÍDIO NA VIDA ESPIRITUAL


“Trouxe para esse lado de cá da margem uma carência enorme. Só buscando entender o que fiz de nossas vidas, reconheço que estava doente da alma e não sabia. Aceitava estar doente da cabeça, precisando dos cuidados de um psiquiatra. Toda essa enfermidade partiu de mim. Por isso, peço que não se culpe pelo o que aconteceu. Eu já estava decidido tirar minha vida. Nem você, nem ninguém impediria, porque para mim nada mais fazia sentido. Eu adoeci e não percebi. Não me dei conta de que estava, na verdade, condenando os meus amores ao profundo sofrimento da dor, da perda e da culpa. Só fiz mau a vocês todos e me arrependo tanto disso. Não morri. Não encontrei a morte. Encontrei nos primeiros tempos uma tormenta ainda maior. Foi tristeza, dor na cabeça e muita canseira. Eu queria voltar para casa, para o meu corpo sem conseguir. Fiquei maluco. E depois de muita canseira vi o meu bisavô Talhares me chamando para receber os cuidados. Aceitei a ajuda dele. Depois de um bom tempo foi que consegui dormi. Nesse sono fiquei por um bom tempo. O vovô Israel também estava procurando por mim. Fui ao encontro dele e lamentamos juntos o que causei a todos. Ainda cuida de mim e me libertei das impressões da matéria e vou me recuperando aos poucos. Minha consciência me cobra do equívoco que cometi, e preciso reparar o meu erro. Quitar essa dívida. Enderece ao meu coração doido e arrependido as suas preces. Me ajude a continuar vivendo, sendo forte e pensando em mim na condição de filho doente que se equivocou. O sofrimento que lhes causei é o meu também e precisamos uns dos outros para sair dele. Por isso, peço a vocês mais me ajudarem.”


“Compareço a esta reunião de preces amparado por um senhor de olhar bondoso e compreensivo de nome Juca Andrade, que me pede para chamá-lo de Vô Juca. Também me ampara um padre de nome Justiniano. Estou um tanto confuso; contudo não poderia  me ausentar desta reunião e da responsabilidade de escrever algumas linhas através dos meios que tenho a minha disposição. Sofro mãe; mas o seu sofrimento acompanhado a dúvidas e inquietações me fazem sofrer um tanto mais. Sinto um turbilhão na minha alma, muita angústia e decepção comigo mesmo. Acho que aos poucos está caindo a ficha do que fiz para encontrar um nada, mergulhar no silêncio, quem sabe no escuro. Eu a condenava por cada lágrima que a senhora procurava ocultar; hoje sou eu o motivo da sua dor e do seu espanto. Desejo que me perdoe mãe. Apenas posso te afirmar hoje que fui vítima de mim mesmo. Peço, por favor, não se culpe por nada. Deveria ter buscado algum tipo de tratamento profissional ou até mesmo espiritual. Não desejo nem devo narrar tudo o que tenho vivenciado neste pouco tempo de morte física. Isto causaria sofrimento a todos nós. O Padre Justiniano quer que lhe diga que Jesus ainda tem predileção pelos miseráveis do corpo e da alma e que eu obterei a ajuda que preciso para me reerguer desta de acordo com o meu próprio empenho. Peço hoje com toda sinceridade que não me esqueça em suas preces. Deixa que aqui eu me responsabilize pelo meu ato. O vô Juca afirma que o tempo irá te fortalecer aí, me fortalecendo aqui consequentemente. Sei que tudo vai passar. Prometo me tratar aqui. Me perdoa mãe.”


“É a mãe, que do outro lado da vida vem até a sua rogativa de filha amorosa. Sei que lhe fiz a promessa de lhe contar o que trouxe a todos nós dor, tristeza e pesar, quando na crise coloquei fogo ao meu corpo. Consultei o Padre Justiniano já há algum tempo sobre o assunto. Utilizando técnicas de regressão de memória, ele me percebeu bem segura o suficiente para visitar o meu passado. Me vi na condição de respeitável dama da sociedade espanhola. Envenenada pela ganância eu lancei meus olhos para uma propriedade próxima. A diferença é que pela sua localização e recursos naturais ela era muito próspera. A princípio, tentei de todas as formas convencer o meu marido da época para adquiri-la. Como ele não contava com o valor necessário para a aquisição, articulei um plano sinistro contra a proprietária daquela vivenda. O marido desta senhora era viajante e não foi difícil para mim arquitetar um plano para que ela fosse surpreendida por testemunhas junto a um dos meus serviçais que a subjugou seviciando-a, afirmando que fora seduzido por encantamento de bruxaria. Sendo assim, como a inquisição estava no seu auge na época não foi difícil eu adquirir  a propriedade por delação e prova junto ao Bispo que após sessões de tortura condenou-a à fogueira inclementemente. A princípio fiquei feliz pela aquisição do objeto do meu desejo. Mais tarde, com a chegada dos anos, me sentia constantemente assombrada pelos gritos horrendo da pobre mulher supliciada à fogueira. Deixei o corpo mais tarde com a mente afetada. Despertei do outro lado da vida com forte complexo de culpa.  Inconscientemente eu fugia de mim mesma. O restante da história você sabe filha. A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória. Não me furtei da lei de causa e efeito. Agora que já sabe deste capítulo triste de uma de minhas existências anteriores, esqueçamos o ocorrido, porque hoje me sinto desvinculada desse passado torpe e infeliz. Pelo que lhe narrei neste ditado, te peço, faça boas escolhas para ser feliz. Más escolhas são seguidas de consequências indesejáveis. Desejo que faça sucesso sem jamais se corromper. Coloque tudo nas mãos de Deus. Ele sabe o que é melhor para você. Pense nisso. O Padre Justiniano traz o carinho do Caio Marcelo a você. Segundo o Padre, se você ler este ditado devagar compreenderá os pontos de interrogação que pairam sob o desenlace. Deixe no passado o que a ele pertence. Reverencie o bem na condição de advogada dos mais pobres e infortunados.”


15 - ATIVIDADES DOS ESPÍRITOS NA CONTINUIDADE DA VIDA NO MUNDO ESPIRITUAL


“Aqui estou seguindo no trabalho de orientadora de jovens adolescentes, que retornam vítimas de si mesmas, ao decidir interromper uma vida ainda dentro do ventre.”


“Estou com minhas mãos operantes na continuidade da vida.”


“Receba o meu carinho filho e a certeza de que deste outro lado da vida tenho lutado muito para ser diferente e no tempo de Deus fazer diferente. Estou aprendendo. Aqui tenho me esforçado. O tempo esculpira um novo homem. Se algo posso lhes pedir, não me esqueçam em suas preces.”


“Por agora sigo meu itinerário de trabalho pelos meus irmãos mais velhinhos. Eu gosto muito de ajudar e cuidar deles. Estou bem. Não se preocupe comigo. Sou o anjo cuidando de você no lado de cá. Conte com minhas preces e minha bênção.”


“Continuo cheio de vida, mãe, cheio de amigos, amigas, com o auxílio do meu avô Olivo. Continuo sendo muito querido mãe.”


“Eu me ambientei mãe, gosto muito de estudar, participar de cursos e vou prosseguindo sempre com vocês de casa no pensamento. Estou agora estudando Botânica, espécies diferentes de flores e outras plantas aqui. E estudá-las é o que mais gosto.”


COM A INDISPENSÁVEL AUTORIZAÇÃO DA FAMÍLIA, PUBLICAMOS A SEGUIR O INTEIRO TEOR DA MENSAGEM DO ESPÍRITO DIMAS AUGUSTO DE OLIVEIRA PARA SUA ESPOSA MIRIAM BELLA E SUAS DUAS FILHAS LÍVIA E JÚLIA, PSICOGRAFADA PELA MÉDIUM MARLI MANSINI, NA ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA JESUS E CARIDADE, EM MOGI MIRIM-SP, NA TARDE DE 06 DE AGOSTO DE 2016.


Minha companheira Miriam, ou seja, minha amada Bella, sempre Bella.


Estou passando minha escrita rapidamente para beijar você e minhas princesas amadas, minha Lívia e minha Julia, que com os olhinhos tristes e apreensivos ao mesmo tempo, vêm buscar umas linhas desse pai, que este ano não estará aí no dia tão especial, para receber junto aos presentes, os muitos abraços e beijos, que para mim eram os bens mais preciosos que elas podiam me dar.


Minhas garotinhas lindas, meus bens preciosos, dos quais morro de ciúmes, nada de tristeza, nada de dor. Todos os dias é dia dos pais, pois, o ano todo.


 Pegamos no pé de vocês; falamos, aconselhamos e essa atenção toda posso continuar lhes dando.


Não quero flores no cemitério, no domingo que me pertence. Pois não estou ali, e sim com minhas mãos operantes na continuidade da vida. E nesse dia vocês poderão encontrar no asilo muitos velhinhos abandonados a espera de um olhar, uma visita ou um carinho.


Então minhas bonecas, vamos lá. Não aceito choradeira, porque a vida é muito mais que só presença física.


Espiritualmente estou ao lado de vocês; o mesmo digo ao seu amor Bella.


Na continuidade da vida te aguardo, mas ativa nas tarefas da casa espírita.


O seu pai José Luiz, Bruna, meu irmão Zé Luiz, deixou que eu escrevesse hoje. Mas se eu deixar de entregar a você e ao Enzo o beijo apaixonado, minha sublinha, acredite “ele me mata de novo”.


Aqui vamos seguindo da forma como tem que ser, sem revolta, sem angústia. Somente saudade da rotina gostosa que nem sempre damos valor quando estamos por aí. É da nossa convivência que o pai tem saudade minhas filhas; eu amo muito vocês.


Continuem firmes nos estudos, continuem nas atividades do centro. O pai não quer decidir por vocês o que devem seguir em termos de religião. Mas deseja que estejam preparadas para as provas da vida que não se finda.


Se cuidem, cuidem da mãe de vocês por mim e não esqueçam que as amo.


 Hoje é só esse recado meu que lhes entrego, mas quem sabe em outra oportunidade eu fale mais.


Deixo minhas considerações de amizade ao amigo Murillo, a Amelia, que nesta tarde representam os outros confrades. Deixo os parabéns a todos os pais que felizes desfrutam a companhia dos seus filhos e familiares.


Beijos minhas três meninas. Sou sempre de vocês. DIMAS AUGUSTO DE OLIVEIRA.


NOTAS EXPLICATIVAS:


1 – Miriam Bella = esposa


2 – Lívia e Júlia = filhas


3 – Bruna = sobrinha, filha de José Luiz.


4 – Enzo = neto de José Luiz e filho da Bruna.


5 – Dimas foi diretor fundador da Equipotência, instituição que ampara crianças e adolescentes em Mogi Mirim-SP.


6 - Dimas faleceu no dia 24 de dezembro de 2015, por complicações de erisipela.


7 – Dia tão especial = dia dos pais de agosto de 2016.


8 - Não quero flores no domingo que me pertence = dia dos pais.


 


 


 

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS - ENTREVISTA - VÍDEO 3

ENTREVISTA DO AUTOR DO LIVRO "OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS"


NO PROGRAMA REPENSAR DA TV MUNDO MAIOR.
https://www.youtube.com/watch?v=Sm_zUsvhXw4
click abaixo para acessar


VÍDEO 3

OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS - ENTREVISTA - VÍDEO 2

ENTREVISTA DO AUTOR DO LIVRO "OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS"


NO PROGRAMA REPENSAR DA TV MUNDO MAIOR.
https://www.youtube.com/watch?v=KK9Zzj-GHQU
click abaixo para acessar


VÍDEO 2

OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS - ENTREVISTA - VÍDEO 1

ENTREVISTA DO AUTOR DO LIVRO "OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS"


NO PROGRAMA REPENSAR DA TV MUNDO MAIOR.
https://www.youtube.com/watch?v=SHyC0-3lc-c
clik para acessar


vídeo1




VÍDEO 1










sábado, 23 de julho de 2016

OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS: ENTREVISTA E TRECHO





OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS:

ENTREVISTA COM O AUTOR E TRECHO DA OBRA

Qual a principal motivação para escrever Os animais na obra de Deus?

O espiritismo nos ensina que, pelos desígnios de Deus, o princípio espiritual imortal que existe nos animais começa o seu processo evolutivo na animalidade, passa pela humanidade e chega na culminância da angelitude.
Este é o desígnio do Pai para todos os Seus filhos.
Então, o espiritismo é a única doutrina que nos explica de modo lógico e dentro das leis do Criador, o destino grandioso que os animais também estão edificando com a vida.
Submetidos às leis do progresso e das sucessivas reencarnações, desde que foram criados simples e ignorantes, mas perfectíveis, eles começaram o desenvolvimento e aprimoramento incessante de suas faculdades e se aproximando cada vez mais da perfeição espiritual.
Essa é a visão espírita dos animais que enaltece a obra de Deus.
Além disso, a consciência desse princípio espírita estabelecido por Allan Kardec, que o livro desenvolve de modo claro, fortalece nos homens o dever de respeitar, ajudar, educar e amar os animais, extinguindo de vez os maus-tratos, a violência e a matança.
Existem nas obras assinadas por Allan Kardec afirmações sobre a existência de animais no plano espiritual?
Os espíritos superiores e Allan Kardec foram muito cautelosos ao abordarem essa questão ainda misteriosa, preferindo esperar que fatos espíritas bastante numerosos viessem evidenciar o tempo curto ou prolongado que a alma imortal dos animais passa no plano espiritual, antes da sua próxima reencarnação evolutiva.

As primeiras revelações claras, surpreendentes e concordes sobre a existência de animais no plano espiritual apareceram na Inglaterra nos livros A vida além do véu (1913), do espírito da mãe do reverendo G. Vale Owen (Edição FEB) e A vida nos mundos invisíveis (1920), do espírito Monsenhor Robert Hugh Benson (Editora Pensamento).

Essas revelações dos espíritos foram em seguida confirmadas nas pesquisas de Artur Conan Doyle e Ernesto Bozzano.

No Brasil, a existência de animais no plano espiritual foi reafirmada abundantemente em muitos livros espíritas, principalmente nos psicografados por Chico Xavier.

O livro de minha autoria, Os animais na obra de Deus, aborda em profundidade essa questão muito interessante, despertando reflexões graves sobre o engrandecimento de nossas condutas perante os animais.
 
Qual a importância de compreendermos melhor a alma dos animais?
Quando observamos a obra de Deus pelos seus dois lados da vida – o material e o espiritual –, conseguimos melhorar nosso modo de ser, pensar, sentir e agir, inclusive perante os animais.

Vemos claramente o passado, presente e futuro dos filhos de Deus, passando a administrar com a razão e o bom-senso as manifestações dos instintos, inteligência, moralidade, sabedoria e amor.

Com o entendimento da existência da alma dos animais e de seu destino semelhante à alma dos homens e dos anjos, pela sabedoria, justiça e bondade de Deus, melhoramos consideravelmente as nossas relações com eles.

Então, encaramos de frente inclusive a milenar e polêmica questão da necessidade de matá-los para prover a alimentação humana.

Este assunto também foi tratado em detalhes no livro em fase de lançamento.
 
Que mensagem final deixa para os nossos leitores?
Já temos revelações espirituais e lições religiosas e morais suficientes para que elevemos consideravelmente as nossas relações e a convivência inclusive com os animais.

Chico Xavier foi exemplo marcante da prática do respeito e amor aos animais.

Outros espíritas como Irvênia Prada, Marcel Benedeti, Sandra Denise Calado da ASSEAMA, Severino Barbosa, Ricardo Orestes Forni, Rodrigo Cavalcanti de Azambuja, dentre muitos outros, nos legaram contribuições valiosas que nos levam ao bom trato devido aos irmãos que estão inseridos na família universal, percorrendo ainda a fase da infância espiritual.

Que saibamos, portanto, conhecer, refletir, ter sempre em mente e adotar os exemplos e as lições que embelezam a vida em sociedade, engajando-nos no movimento contra os preconceitos, violências e criminalidade que infelizmente ainda existem principalmente contra os animais, facilitando, assim, a elevação das condições de vida de todos e a gradativa ascensão da alma até o Pai.
(*) As respostas das entrevistas e os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, e não refletem necessariamente a opinião da
Editora EME.


TRECHO DA OBRA
Muitos homens não têm apenas usado os animais para suprir a sua necessidade de alimentação do corpo material, quando não têm outras alternativas alimentares para obter as energias necessárias para sobreviver, trabalhar e prosperar.
Muitos têm ainda caçado os animais sem a menor piedade e consideração, sentindo a satisfação de os prender em jaulas ou gaiolas ou de os matar alegando que estão praticando atividades esportivas.
Onde está a educação, o bom-senso e o amor devido aos seres primitivos que convivem e se relacionam conosco no meio ambiente e na Natureza?
Os meios de comunicação nos têm mostrado ainda inúmeros casos gritantes de maus-tratos, agressões, tráficos e matanças de animais, no Brasil e no exterior, nos levando à indignação e, algumas vezes, até mesmo às lágrimas.
O que dizer dos homens que ainda tratam os animais de forma rude na sua criação para a alimentação, na pesquisa científica e nas ações que os levam à extinção?
Precisamos não só combater as atitudes e ações insensíveis, bárbaras e violentas, que nos deixam atônitos, adotadas contra os seres humanos; devemos também lutar abertamente contra tudo o que for feito de maldade para os animais.
A nossa consciência já nos mostra claramente o que ainda deixamos acontecer de mal contra os seres da Natureza, nos impulsionando às ações corretas e elevadas.
Chico Xavier nos deixou orientações e exemplos sobre o amor que devemos ter pelos animais, o qual é exteriorizado através da defesa, proteção e dedicação às suas boas condições de vida.
Não basta, portanto, fazermos leis que ficam apenas no papel. Precisamos do cumprimento rigoroso das legislações que determinam as das práticas amorosas e educativas em relação a eles.
Textos extraídos da NEWSLETTER EME, Edição . 186, junho de 2016. (www.editoraeme.com.br)
(Trecho extraído do capítulo “Chico Xavier e seus exemplos de amor aos animais”)








segunda-feira, 18 de julho de 2016

"OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS": RESENHAS









OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS”: RESENHAS

Allan Kardec tratou com muita propriedade e prudência as questões complexas que envolvem a criação, encarnação e sobrevivência da alma dos animais à morte do corpo material.
 
Ainda assim, empregou sua grande sabedoria e seu enorme bom-senso para desenvolver cada vez mais o tema, jamais dando por encerrada a discussão sobre esse assunto ao mesmo tempo tão misterioso, quanto polêmico.
 
Em O Livro dos Espíritos, Kardec levanta a questão pela primeira vez, nas questões 592 a 610, do Capítulo XI, da Segunda Parte (“Os Três Reinos”).
 
Em março de 1864, ele retoma o assunto através de um artigo na Revista Espírita intitulado “Da perfeição dos seres criados”, onde o codificador reafirma que a questão da evolução do princípio inteligente dos animais só estaria plenamente resolvida quando estivesse amplamente autenticada pela concordância universal do ensino dos espíritos.
 
Esse princípio só poderia ser considerado verdadeiramente indiscutível quando recebesse a plena consagração no ensino consistente, concorde e universal dos ensinos.
 
Através de seu novo livro, Os animais na obra de Deus, Geziel Andrade se propõe a examinar essas questões difíceis, reunindo e analisando detalhadamente as amplas informações sobre o assunto contidas em muitos livros espíritas.
 
Dessa forma, o autor pretende fortalecer o princípio espírita sobre o tema, permitindo que o mesmo passe com muita facilidade pelos crivos da razão, lógica e bom-senso, tal qual preconizava Kardec.
 
Este livro pretende analisar detalhadamente as amplas informações sobre o assunto.
 
Em seu novo livro, Geziel Andrade fortalece o princípio espírita sobre Os animais na obra de Deus. (Revista de livros EME, n. 19, maio 2016.)  
Atr

 

Geziel reuniu no seu novo livro o pensamento de diversos sábios encarnados e desencarnados acerca da evolução contínua e incessante na obra de Deus.

Nomes como Léon Denis, Gabriel Dellane, Ernesto Bozzano e ainda diversas comunicações de espíritos valorizam essa obra, mais um instrumento para nosso aprendizado sobre o aprimoramento espiritual. (Newsletter EME, edição n. 187, julho de 2016.)

 

Geziel Andrade vem nos mostrar, em seu livro Os animais na obra de Deus, como se processa a evolução do princípio inteligente.

Esse princípio inteligente, criado por Deus, percorre uma longa jornada, lenta e continuadamente, desde as formas mais primitivas, passando por inumeráveis experiências até atingir a condição humana, e daí, novamente, tem pela frente desafios e retornos à vida material até alcançar a angelitude, destino final de toda criatura.

Geziel reuniu o pensamento de diversos sábios (tanto de pensadores de nosso mundo quanto dos espíritos que auxiliaram Allan Kardec nas obras da codificação) acerca da evolução contínua e incessante na obra de Deus.

Nomes como Léon Denis, Gabriel Dellane, Ernesto Bozzano e ainda diversas comunicações de espíritos superiores através da psicografia de Chico Xavier valorizam essa obra, mais um instrumento para nosso aprendizado sobre o aprimoramento espiritual. (Sinopse em http://editoraeme.com.br/lancamentos).

 

 


 

sábado, 2 de julho de 2016

OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS. INFORMATIVO





“OS ANIMAIS NA OBRA DE DEUS”: INFORMATIVO




A Editora EME, de Capivari-SP, (www.editoraeme.com.br), em seu informativo LEITOR EME, Ano 17, número 73, de julho de 2016, publicou as seguintes informações sobre o livro acima, de sua edição:


UMA VALIOSA OBRA DE PESQUISA E DE ESCLARECIMENTO.


Allan Kardec tratou com muita propriedade e prudência as questões complexas que envolvem a criação, encarnação e sobrevivência da alma dos animais à morte do corpo material.


Tanto em O Livro dos Espíritos, nas questões 592 a 610, do Capítulo 11, da segunda parte (“Os três reinos”), quanto na Revista Espírita de março de 1864, o codificador reafirma que a questão da evolução do princípio inteligente dos animais só estaria plenamente resolvida quando estivesse amplamente autenticada pela concordância universal do ensino dos espíritos.


Esse princípio inteligente percorre uma longa jornada, lenta e continuadamente, desde as formas mais primitivas, passando por inumeráveis experiências até atingir a condição humana e daí, novamente tem pela frente incontáveis desafios e múltiplos retornos à vida material até alcançar a angelitude, destino final de toda criatura de Deus.


Através de seu novo livro, Os animais na obra de Deus, Geziel Andrade se propõe a examinar o assunto em profundidade e, para sustentar seu trabalho, busca apoio em eminentes estudiosos – nome como Léon Denis, Gabriel Dellane, Ernesto Bozzano – e diversas comunicações recebidas dos espíritos superiores através da psicografia de Chico Xavier.


 Desta forma, o autor pretende fortalecer o princípio espírita sobre o tema, permitindo que o mesmo passe com muita facilidade pelos crivos da razão, da lógica e do bom senso, tal qual preconizava Kardec.